Acorda o revisor! (2)

Veja o perigo de você receber um jato de spray de tinta biológica. Ele pode provocar um infarto! A necessidade de reler o que foi escrito é essencial para não haver ambigüidade. O que o redator pretendeu dizer foi: Após infarto, coração é curado com spray de tinta biológica. Dica: releia sempre o que escreveu; Leia mais… »

Acorda o revisor! (1)

Desculpem pela longa ausência. Não foi por falta de cochiladas de redatores e revisores, não. Para não haver tanta ausência de artigos, criei o Acorda o revisor! Serão artigos pequenos, com dicas rápidas, certeiras, para ajudar você a escrever melhor. Para começar, esta pérola: Pois é: para o redator (com a aprovação do revisor) da Leia mais… »

Pára e para?

O Acordo Ortográfico tirou o acento de pára, forma da terceira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo parar. Algum “imortal” (podiam ser, pelo menos, mais modestos, não?) entendeu, em seu gabinete, que usar a forma verbal sem acento não causaria nenhuma confusão, que seria sempre óbvia a diferença entre o verbo e Leia mais… »

O dela, não o seu

Evitar certas armadilhas da escrita até que não é difícil. É preciso, basicamente, ler de novo, com calma e em voz alta, o que se escreveu para ver se não há ambigüidade (sim, eu continuo usando trema), por exemplo. Os pronomes possessivos de terceira pessoa (seu, sua, seus, suas) são fantásticos para criar coisas engraçadas, Leia mais… »