Acorda o revisor! (7)

Este sono profundo foi encontrado hoje pela manhã no UOL: “Fora, Temer!” é uma expressão, uma palavra de ordem, um clamor, algo dito pelas pessoas e citado na frase. Portanto, deveria ser identificado desta forma: entre aspas, inicial maiúscula e finalizada por exclamação. Ou seja: Procurador do Paraná encerra discurso com “Fora, Temer!” Mas o Leia mais… »

O meu? O dele?

Uma cochilada comum de redatores e revisores, e que produz resultados muito hilários, é o uso desnecessário dos pronomes possessivos de terceira pessoa. Veja este exemplo recente: O texto é dirigido ao leitor, dizendo a ele para não segurar um espirro, “tapando seu nariz e sua boca”. Observe que os dois pronomes possessivos são desnecessários. Leia mais… »

Menino ou menina?

O gênero das palavras é tema complexo e curioso. Em primeiro lugar, temos de aceitar que o gênero dos vocábulos é arbitrário. Por que temos o dia e a pia? Por que o monte e a morte? Só muda uma letra! “É a etimologia…”. No tempo de Camões, escrevia-se a planeta; hoje, é o planeta. O Leia mais… »

Acorda o revisor! (5)

Eu não sou muito bom em biologia e em anatomia, mas, até onde sei, cada pessoa tem apenas um umbigo.   Já falei em outros artigos da síndrome do Multi-homem, que é essa mania de pluralizar o que é singular. A regra é simples e não tem mistério: o que é singular no indivíduo é Leia mais… »

O relacionamento com o português continua péssimo

Redatores e revisores cochilantes tropeçam onde não há necessidade. Vejam mais esse caso vindo do Gizmodo.   Ao escrever, deve-se observar a concordância. Portanto, o correto seria: “… nossa forma de nos relacionarmos” ou: “… a forma como as pessoas se relacionam”. Não é difícil!