Sem a minha, pode!

Um cochilo e uma pérola do Terra hoje pela manhã:

No primeiro caso, o redator/revisor se atrapalhou um pouco e esqueceu de apagar o é. Mas no segundo, foi erro feio mesmo. Quando nos referimos a partes do corpo, não há necessidade do pronome possessivo. Assim, como o frango pode viver sem a minha cabeça ou sem a sua, a frase deveria ser apenas: Um frango pode viver sem cabeça? Todo mundo (com exceção, talvez, do revisor) saberia que se refere cabeça do frango, não a outra qualquer.

____

PS.: Assim que terminei de “fotografar” a página do Terra, o primeiro erro foi consertado, mas o segundo permanece. E o segundo já está lá há alguns dias.

2 Replies to “Sem a minha, pode!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.