Acorda o revisor! (4)

Não importa que a frase seja curta e fácil de escrever – sempre é possível ao revisor dar uma cochilada. Aconteceu na manchete aí acima. Povo, multidão, exército, grupo, população: essas palavras estão no singular, mesmo que expressem, signifiquem grande quantidade de elementos. Então, a norma culta exige que o verbo usado com elas esteja no Leia mais… »

Acorda o revisor! (3)

Eu sugiro que o revisor comece a revisar… “Começem”? De onde ele tirou isso? Dica: o cê só recebe a cedilha quando tiver o som de dois esses antes de a, o e u. Assim: caçada açúcar Açores começar açoite alcaçuz Antes de e e de i, nunca há cedilha. Abraço! (Mais um exemplo…) Salvar

Acorda o revisor! (2)

Veja o perigo de você receber um jato de spray de tinta biológica. Ele pode provocar um infarto! A necessidade de reler o que foi escrito é essencial para não haver ambigüidade. O que o redator pretendeu dizer foi: Após infarto, coração é curado com spray de tinta biológica. Dica: releia sempre o que escreveu; Leia mais… »

Menos para os revisores…

Facilmente se observa que o texto, lido hoje na Galileu online, não foi revisado. Primeira cochilada, mais do que evidente: professional. (Como essa é a forma em inglês, aumentam minhas suspeitas de que o texto foi traduzido e não mal revisado.) Em português, escreve-se profissional. Qua? A pressa na tradução e a falta de revisão Leia mais… »

Que horror!

Não, o horror não é a peruca do James Bond. Nem a do Sílvio. Mas é a maldade que o Mega Curioso, de onde capturei essa frase, faz com o português. Regência verbal é sempre um desafio para falantes e escritores. A tendência dos falantes (e isso termina por ser registrado na escrita) é não Leia mais… »