O meu? O dele?

Uma cochilada comum de redatores e revisores, e que produz resultados muito hilários, é o uso desnecessário dos pronomes possessivos de terceira pessoa. Veja este exemplo recente: O texto é dirigido ao leitor, dizendo a ele para não segurar um espirro, “tapando seu nariz e sua boca”. Observe que os dois pronomes possessivos são desnecessários. Leia mais… »

Menino ou menina?

O gênero das palavras é tema complexo e curioso. Em primeiro lugar, temos de aceitar que o gênero dos vocábulos é arbitrário. Por que temos o dia e a pia? Por que o monte e a morte? Só muda uma letra! “É a etimologia…”. No tempo de Camões, escrevia-se a planeta; hoje, é o planeta. O Leia mais… »

Acorda o revisor! (5)

Eu não sou muito bom em biologia e em anatomia, mas, até onde sei, cada pessoa tem apenas um umbigo.   Já falei em outros artigos da síndrome do Multi-homem, que é essa mania de pluralizar o que é singular. A regra é simples e não tem mistério: o que é singular no indivíduo é Leia mais… »

O relacionamento com o português continua péssimo

Redatores e revisores cochilantes tropeçam onde não há necessidade. Vejam mais esse caso vindo do Gizmodo.   Ao escrever, deve-se observar a concordância. Portanto, o correto seria: “… nossa forma de nos relacionarmos” ou: “… a forma como as pessoas se relacionam”. Não é difícil!

Muitos erros

Cochiladas há por toda parte, indiscutivelmente. Mas, em alguns lugares, elas são muito, muito mais feias do que em outros. Entre as mais feias, considero as encontradas em convocação ou edital de concursos de literatura. Afinal, como pessoas que vão julgar textos podem ser relapsas com a língua? Se não conseguem identificar erros naquilo que Leia mais… »