Desafio ao Malafaia

Inicialmente, pensei em chamar este artigo de “Malafaia, por que não te calas?”. No entanto, ele fugiria da proposta deste blogue, que é tratar de questões relativas à língua portuguesa. Os ensinamentos do Malafaia, e o pedido para que ele se cale, serão foco de outro artigo, em outro blogue meu (a ser inaugurado).

Muitos já devem saber da mais recente confusão em que o destemperado e iracundo pregador se meteu. Numa entrevista à revista Época ele disse que ia fazer determinada coisa com Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT). O rolo todo gira em torno do que o Malafaia teria dito. A revista registra que ele disse “fornicar”. Ele insiste em que disse “funicar”. O registro da entrevista está aqui e a explicação do ex-bigodado está aqui. Se quiser confirmar o que ele disse, ouça aqui.

Eu ouvi várias vezes. É possível ouvir tanto fornicar quanto funicar, já que o abespinhadiço pregador não pronuncia a palavra, seja ela qual for, de modo claro. Ao contrário do que ele afirma – “onde todos podem constatar que não utilizo a palavra fornicar, mas sim, funicar” – não é possível, não, distinguir entre elas sem haver qualquer dúvida. Fica ao gosto do ouvinte. Eu, particularmente, acho que ele disse fornicar mesmo.

Mas quero me deter na explicação dada por Malafaia. Diz ele:

 Foi com esse sentido que usei a palavra “FUNICAR”, uma gíria que significa “ferrar”, “arrebentar”.

À luz dessa explicação, tudo se torna muito simples: basta encontrar base para a afirmação dele sobre a existência e o significado de funicar, e pronto! A culpa ficaria com o jornalista que, ignorando o vasto universo vocabular da língua portuguesa, optou pela palavra que lhe era mais conhecida. Mas a coisa não é tão simples.

A revista Época já disse: “A expressão ‘funicar’, reivindicada por Malafaia, não existe em nenhum dos quatro principais dicionários da língua portuguesa, o Aurélio, o Houaiss, o Luft e o Michaelis.” Eu acrescento: também não existe no Dicionário Gramatical de Verbos do Português Contemporâneo do Brasil, nem no Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete (1958), tampouco no livro Conjugação dos Verbos em Português, de Maria Aparecida Ryan, que traz 6.000 (!) verbos (e foi esquecer justamente de funicar!). Pesquisei também no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, com 381 mil verbetes, e nada de funicar.

Mas, como o facundo cidadão disse se tratar de gíria, é possível que todos esses dicionários obsoletos não tivessem registrado ainda esse neologismo. Nada mais natural, já que a língua é dinâmica e viva. Por isso, foi preciso ampliar o universo de consulta para… todo o universo! Leia-se: Google. Vamos lá!

A situação se agrava. São Google também desconhece funicar no sentido dado por Malafaia. Há uma empresa de funilaria de carro (em nome do proprietário, obrigado, Malafaia, pela propaganda… ou não), há algumas piadas de português em que o termo é usado como sinônimo de fornicar (mas alguém poderá dizer que é erro de digitação). Neste endereço há funicar na acepção do entrevistado. Note, porém, que é um dicionário feito por internautas, sem qualquer compromisso com a língua. E, curiosamente, são anônimos os que dão o significado que interessa ao Malafaia. Fãs dele, talvez…

Mas uma luz no fim do túnel parece vir. Neste endereço alguém dá outra solução ao mistério: trata-se de palavra arcaica com o significado de “fazer passar por um funil”. Será que foi um ato falho do defensor do plebeísmo usar uma palavra arcaica e chamá-la de gíria? Então, o erro de todos os que o acusam está em usar dicionários modernos?! Será que agora tudo se resolve?

De volta à pesquisa. O Novo dicionário da língua portuguesa, de Cândido de Figueiredo, de 1913, não registra funicar, apenas “infunicar v. t. Chul. Desfigurar; mascarar”. Mas não foi isso que o Malafaia disse ter dito. (Espero que ele não use este modesto artigo para mudar seu discurso.) Talvez Figueiredo não seja suficientemente arcaico. De volta ao túnel do tempo, então.

Procurei os mais antigos dicionários de português disponíveis na internet. Estão aqui. Nada de funicar no Vocabulario Portuguez e Latino, de Bluteau (1712-1728) nem no Diccionario da Língua Portugueza, de Antonio Moraes da Silva (1813). Quão arcaico precisa ser o dicionário para podermos dizer que o Malafaia estava certo?

Fui para além-mar. Consultei o Priberam, excelente dicionário online de Portugal. Os portugueses também não funicam.

E agora?

Como já perdi boa parte do feriado com esse assunto, lanço um desafio ao Malafaia. Gostaria que ele apresentasse um documento em que seja usado o verbo funicar e com o significado que ele disse ter. Que documento? Como teoricamente é uma gíria, então texto de revista ou de jornal popular, gravação de programa de rádio ou de entrevista na tv, música popular… qualquer coisa de no mínimo seis meses antes da cerval entrevista. Se isso existir, reconhecerei novamente minhas limitações sobre a língua falada no Brasil. Caso contrário, considero que o Malafaia, mesmo que não assuma, sabe que errou. E, quem sabe, pense um pouco mais antes de falar.

6 Replies to “Desafio ao Malafaia”

  1. Concordo com um amigo que levantou a hipótese de que ele dizia ” eu vou fu…” (e ele manda o funicar/fornicar) o Toni Reis querendo dizer um palavrão que é muito usado no sentido de “arrebentar”, “destroçar”, “acabar” etc se arrependendo no meio da palavra.

  2. O Audio do Malafaia não está mais disponível no site da Época.

    De qualquer forma, eu acho que no afã da discussão, naquele momento, onde as emoções ficam a flor da pele (no caso do Mala, mais agravado ainda) o Mala dizia que iria arrebentar, destroçar e iria emendar uma palavra que começa com “fu” mas ele não terminou, tentou emendar e ficou pior ainda.

    No audio, que eu ouvi, parecia isto mesmo. Ele dizia ” eu vou fu… (e ae ele manda o furnicar) o Toni Reis.

    A palavra que ele poderia ter usado, seria “fustigar”.

    Ouça, e analise, se não seria esta uma possibilidade.

  3. Yuri, obrigado pela contribuição.

    Atendo-me à questão da existência da palavra, ainda acho que é preciso melhor documentação. O blog que você citou parece ser o único lugar que menciona isso. Note que o autor diz que são termos antigos, praticamente não mais utilizados. E, no fundo, o termo é mesmo uma variação de furnicar (fornicar). É uma corruptela de fornicar, mas com o mesmo sentido em seu uso mais chulo.

    Ampliando um pouco o assunto, um sujeito que se propõe a falar em público precisa saber que deve escolher vocabulário de entendimento amplo, sem ambigüidade, sem regionalismos. Mas o falastrão resolve usar, segundo ele, funicar ao tratar de questão relacionada à perseguição por parte de pederastas! Tá pedindo por encrenca, né?
    Isso, repito, se essa palavra existe mesmo na acepção dada por ele.
    Ainda estou esperando as provas.

    Abraço e volte sempre!

  4. Francisco, se você pesquisar “funicado” no “São Google” (isso se já não o fez), vai ver que é uma palavra relativamente conhecida, usada em blogs e fóruns.
    Exemplos: “…dedo todo funicado com esmalte comido…”, “…se eu pensasse assim eu tava funicado…”, “…Estais funicado com esse teu timinho…”, “…senao to funicado…”, “…é pobre funicado demais…”, “…uma que me deixa funicado da vida…”, e por aí vai.
    Nessas horas é que vemos como é complexa a língua portuguesa, “funicado” existe (mesmo que apenas como linguagem popular), já “funicar” parece que não existia antes do Malafaia a criar.

    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.